terça-feira, Julho 02, 2013

Leitura a não perder!!!!

 

Grande Fome na URSS estudada por historiadores portugueses e ucranianos

    
O estudo "Holodomor - A desconhecida tragédia ucraniana (1932-1933)", coordenado pelos historiadores portugueses e ucranianos, é a primeira obra em português sobre a Grande Fome na União Soviética, considerada um dos crimes mais hediondos do século XX.
Segundo os coordenadores da obra publicada pela Grácio Editor, Beata Cieszynka e José Eduardo Franco, trata-se de um estudo “profundo e cuidado” de "uma tragédia artificialmente provocada nos anos 1932 e 1933 pelo regime estalinista aos povos da União Soviética em consequência do fracasso da forçada coletivização" da agricultura.
A Grande Fome, que teve lugar na Ucrânia, regiões russas do Volga e Kuban e no Cazaquistão, provocou a morte de muitos milhões de camponeses.
Preparada com o apoio da Associação Internacional de Estudos Ibero-Eslavos - CompaRes e CLEPUL5 - Grupo de Investigação do Centro de Literaturas e Culturas Lusófonas e Europeias da Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, esta obra "visa contribuir para um crescente debate científico sobre o Holodomor, levando a novas interpretações e aplicado a novas metodologias e disciplinas".
Os editores lamentam no entanto a falta de diálogo por parte das entidades oficiais russas, cujo contributo poderia ter permitido um estudo mais completo.
"Cumpre aos editores do presente livro sobre o Holodomor lamentar a falta de expressão do problema por parte dos historiadores e jornalistas russos, existindo uma possibilidade de diálogo mais alargado não realizada. Infelizmente, não tivemos sucesso no nosso pedido a Embaixada da Rússia para a colaboração na aquisição dos respetivos textos", escrevem os coordenadores deste livro.
A colaboração da parte russa, impedida pelo facto de os dirigentes do Kremlin terem posições muito ambíguas face aos crimes do estalinismo, poderia dar mais pluralismo à discussão de questões como: "foi a Grande Fome uma política de genocídio do povo ucraniano ou um dos muitos crimes contra a Humanidade cometidos pela ditadura comunista que dirigiu a URSS entre 1917 e 1991?".
A cooperação russa, que detém grande parte dos arquivos, contribuiria também para aprofundar um tema levantado por Luís de Matos Ribeiro, um dos autores do livro: a comparação do comunismo e do nazismo.
"Parte significativa das elites (politicas e académicas) e da opinião publica persiste em avaliar assimetricamente os crimes do totalitarismo soviético - em comparação com os do nazismo e do fascismo -, refletindo uma ambivalência que Charles Maier qualificou de "memória quente e memória fria" e Alain Besancon de hipermnésia do Nazismo" e "amnésia" do Comunismo"", escreve Luís de Matos Ribeiro.
O historiador assinala que isto acontece "apesar do contributo cívico e intelectual de personalidades como [a filósofa] Hannah Arendt, [o dissidente] Alexander Soljenitsine e [o filósofo] Raymond Aron, do desgaste simbólico da utopia comunista, iniciado com a destalinização do período khrushchoviano, e do colapso do bloco comunista e da U.R.S.S. em 1989-1991".

1 comentário:

Anónimo disse...

"Você deve entender. Os líderes Bolcheviques que assumiu a Rússia não eram russos. Eles odeiam os russos. Eles odeiam os cristãos. Impulsionado pelo ódio étnico torturaram milhões de russos abatidos, sem um pingo de remorso humano.
A revolução de outubro não é o que vocês chamam na América a 'revolução russa'.
Foi uma invasão e conquista do povo russo.
Muitos dos meus conterrâneos sofreram crimes horrendos em suas mãos manchadas de sangue do que qualquer povo ou nação que já sofreu na totalidade da história humana.
Isso não pode ser suavizado. Bolchevismo foi a maior matança humana de todos os tempos.
O fato de que a maioria do mundo é ignorante desta realidade é a prova de que a própria mídia global está nas mãos dos criminosos. " - Aleksandr Solzhenitsyn

Fonte: http://davidduke.com/putin-80-of-first-soviet-government-was-jewish/


Santana